Versões de “mini” cruzeiros crescem no Brasil e são opções em 2021

Versões de “mini” cruzeiros crescem no Brasil e são opções em 2021

Com a pandemia do novo Coronavírus, as pessoas estão tendo que se reinventar e no setor turístico não está sendo diferente. Para quem gosta de cruzeiros e quer matar a saudade pode aproveitar algumas viagens marítimas em versões compactas pelo Brasil. São, no máximo, 40 passageiros para evitar a aglomeração.

Em Paraty/Ilha Grande, no Rio de Janeiro, há 11 anos no mercado de liveaboard para mergulhos, o Enterprise foi adaptado para funcionar como uma pousada no mar, em mini cruzeiros de três dias no litoral sul fluminense. Considerada uma das baías mais abrigadas da costa brasileira, suas águas calmas convidam para atividades como caiaque no Saco do Mamanguá e prática de Stand Up, além de trilhas e workshop de produção de artesanato com madeira caixeta, em comunidades caiçaras. Em parceria com o DeRose Method, o Enterprise organiza também saídas para prática de ioga, com atividades como treinamento de respiração, meditação no pôr do sol e palestra sobre consciência emocional.

Mais informações: https://compassbrasil.tur.br/minicruzeiro-enterprise-paraty-ilha-grande/

No Pantanal, em Mato Grosso do Sul, a viagem inclui navegações nos rios Paraguai e Paraguai Mirim, travessias de caiaque na Serra do Amolar e passeios de botes até o Morro do Cará-Cará, complexo arqueológico no Parque Nacional do Pantanal. Já em terra, os viajantes visitam comunidades pantaneiras com atividades como workshop de preparação de chipa, espécie de pão de queijo regional. O barco-hotel Comodoro, equipado até com piscinas, sala de cinema e academia, faz dois roteiros anuais, em diferentes datas, de acordo com a temporada pantaneira (de fevereiro a outubro: cruzeiros de pesca esportiva; de novembro a janeiro: ecoturismo).

Mais informações: www.joicetur.com.br/embarcacoes

Já em Abrolhos, Bahia, embora voltados para mergulhadores embarcados, catamarãs do tipo liveaboard têm sido procurados não só por viajantes impedidos de deixar o país para mergulhar em águas internacionais, mas também para fretamentos para pequenos grupos. Destino certeiro de baleias jubarte, entre julho e novembro, o primeiro parque nacional marinho do Brasil, a três horas de navegação da costa baiana, é a parada dessa embarcação equipada com cozinha completa, banheiros externos e salas de jantar e estar. Aquele território, extremamente frágil, pode ser visitado com o acompanhamento de monitores ambientais que conduzem visitantes por uma trilha curta na Ilha Siriba, lar de aves como atobás-brancos e graz.

Mais informações: www.horizonteaberto.com.br

Em Alter do Chão, no Pará, o turismo segue o ritmo da vazão e cheia dos rios amazônicos, mas a bordo desses clássicos barcos de madeira, concebidos pela primeira engenheira naval da Amazônia, é possível navegar na Baía do Tapajós durante todo o ano. Com 4 roteiros diferentes, que vão de 3 a 6 dias de duração, o viajante navega por ícones fluviais da região, como os rios Tapajós, Amazonas e Negro. A intensa programação de atividades inclui canoagem em igarapés, visitas a comunidades ribeirinhas com vivências como oficinas de tingimento artesanal, trilha na FLONA (Floresta Nacional) e visita ao Canal do Jari, conhecido pelo cenográfico jardim de vitórias-régias da simpática Dulce.

Mais informações: www.turismoconsciente.com.br

Na Amazônia, no Amazonas, a empresa katerre de ecoturismo com base no Rio Negro, realiza roteiros ultra exclusivos com atividades como navegação por Anavilhanas, um dos maiores arquipélagos fluviais do mundo, no baixo Rio Negro; e trilha até as Grutas do Madadá, formações rochosas milenares. Um dos destaques é o Parque Nacional do Jaú, onde os viajantes fazem paradas para banhos em cachoeiras, visitas às ruínas de Airão Velho e encaram a trilha até uma samaúma gigante, conhecida como a “mãe das árvores”. Em barcos regionais de madeira, porém com serviços a bordo, a proposta dessas expedições é proporcionar a experiência de uma viagem em embarcações de linha como fazem os moradores locais.

Mais informações: www.katerre.com

E aí, gostou? Partiu fazer um mini cruzeiro? Mas sem aglomeração, hein!!!



X